ÁGUA: Uma questão para o mundo todo

Tal como no Nordeste brasileiro, há diversos pontos do mundo em que a escassez hídrica é motivo de êxodo da população e alvo de políticas públicas. Em termos globais, a oferta de água corre o risco de entrar numa crise profunda, pressionada cada vez mais pelo crescimento demográfico, pelas mudanças climáticas, pela contaminação de fontes e pelo desperdício. A crise é menos uma questão de insuficiência real, e mais de mau gerenciamento do uso dos recursos hídricos. A falta de água afeta não só a saúde humana, mas também o desenvolvimento socioeconômico da sociedade e o rumo das relações entre nações.
Diante do cenário em que a escassez hídrica atinge 11% da população mundial, a Unesco (entidade da ONU voltada para a educação, a ciência e a cultura) declarou que 2013 é o Ano Internacional de Cooperação pela Água. A iniciativa tem o objetivo de alertar para a necessidade de administrar melhor as fontes de água, que estão sendo afetadas pelo aumento do consumo e pelo uso desequilibrado desse recurso fundamental. As perspectivas são preocupantes: a ONU estima que, se as políticas em relação à água não mudarem, 1,8 bilhão de pessoas estarão vivendo em zonas muito secas e dois terços da humanidade estarão sujeitos a alguma restrição no acesso à água em 2025.

Crise silenciosa

O planeta já enfrenta uma crise de abastecimento de água, apesar de isso não significar que o líquido esteja diminuindo. A água que circula por mares, rios e lagos, que está guardada nos depósitos subterrâneos e nas calotas polares, como gelo, ou que circula em forma de umidade pela atmosfera, tem um volume quase constante, que demora milhões de anos para ser alterado. Essa quantidade quase não se altera pois a água está em eterno processo de reciclagem natural: evapora, desaba como chuva, escorre para o fundo da terra e retorna para a superfície, de onde volta a evaporar, no chamado ciclo da água. Por isso, a água é um recurso renovável.
 http://msalx.almanaque.abril.com.br/2013/08/19/1233/pagina-95_01.jpeg?1376926927
Afora uma pequena parcela que, quando desmembrada pelos raios solares em hidrogênio e oxigênio, deixa a atmosfera do planeta, a água que hoje usamos para matar a sede e para o banho é composta das mesmas moléculas que formaram os mares em que nadaram os primeiros peixes, as chuvas que molharam os dinossauros e o gelo que recobriu grandes partes do planeta nas eras glaciais. Mas um recurso renovável não se mantém, necessariamente, inesgotável e com boa qualidade todo o tempo. Tudo depende do equilíbrio entre a renovação e o consumo.
Existem fatores naturais que limitam o volume de água disponível para os seres humanos. Muitos povos vivem em zonas áridas, e mesmo regiões ricas em recursos hídricos podem passar esporadicamente por secas que afetam os mananciais. Isso sempre foi assim. A diferença, na situação atual, é que enfrentamos uma ameaça de escassez crônica de proporções globais cuja grande causa é a atividade humana. O consumo crescente e o desperdício, a contaminação dos mananciais e as alterações climáticas que a Terra está passando desequilibram a relação entre a oferta e a demanda de água doce em boas condições para o uso do ser humano.
Avaliar o volume total de água no planeta é uma ciência pouco exata. Os especialistas reconhecem que muitos dados são pouco confiáveis e os números podem variar. Ainda assim, a estimativa sobre o volume de água potável a que o homem tem acesso apresenta valores bem aceitos na comunidade científica. Esses valores demonstram que, apesar de a Terra ter três quartos de sua superfície submersos, a parcela de água à disposição da humanidade é, em relação ao volume total, muito pequena.
Do total de 1,39 bilhão de quilômetros cúbicos de água que revestem o globo, apenas 2,5% são de água doce. Além disso, a maior parte da água doce não está ao alcance do homem – está congelada nas geleiras e calotas polares ou escondida em depósitos subterrâneos. A quantidade de água a que o homem tem acesso fácil – a superficial, de rios, lagos e pântanos – é de, no máximo, 0,4% da água doce existente no mundo. Contamos com isso para matar a sede, cuidar da higiene, gerar energia e produzir alimentos e bens industriais. No fim das contas, é água mais do que suficiente. Mas, segundo a ONU, uma a cada nove pessoas no mundo não tem acesso à água potável em quantidade necessária para garantir sua saúde, nem um padrão de vida que reflita um bom desenvolvimento social e econômico.

Causas da escassez

Se o problema não é a quantidade, então o que está causando uma crise global de água? A resposta é a combinação de diversos fatores: o crescimento populacional, a expansão do consumo associada à melhoria dos padrões de vida, mudanças alimentares, aquecimento do planeta e mau gerenciamento estão aumentando as pressões sobre o abastecimento local e mundial de água. Essas variáveis passam por mudanças rápidas e muitas vezes imprevisíveis. A população mundial cresce aceleradamente. Em 1950, éramos 2,5 bilhões de pessoas, e, em 2011, 7 bilhões. Segundo as estimativas da ONU, passaremos a 8,3 bilhões em 2030 e a 9,3 bilhões em 2050. Os efeitos desse aumento populacional é sentido em várias regiões.

 http://msalx.almanaque.abril.com.br/2013/08/19/1216/pagina-98.jpeg?1376926164
O crescimento demográfico não significa apenas mais torneiras, descargas sanitárias e chuveiros nas residências. Significa, principalmente, que as sociedades precisam gerar mais energia e produzir cada vez mais, tanto no campo quanto nas fábricas (veja infográfico). Os cálculos indicam que precisaremos de 60% a mais de energia vindas de hidrelétricas e de outras fontes renováveis. O desenvolvimento industrial e agropecuário é hoje responsável pelo consumo de 90% de toda água usada pela humanidade. E, quanto mais rica é uma população, maior é o consumo de água por pessoa, tanto no uso doméstico quanto por meio de sua alimentação e seu modo de vida. Com mais gente, prevê-se que, em 2030, a demanda por comida aumentará em 50% em todo o planeta.
A disparidade entre o consumo de água por ricos e pobres expressa uma perversa lógica de mercado. À população carente sem acesso ao serviço de fornecimento de água restam duas tristes opções: ou longas caminhadas diárias até poços e reservatórios, ou a compra de água de fornecedores particulares – agueiros ou caminhões-pipa. Nas duas situações, os prejuízos econômicos e sociais são imensos: estima-se que os africanos gastem 40 bilhões de horas a cada ano só no trabalho de coleta de água em pontos distantes e de transporte para suas casas.

Mau gerenciamento

Talvez o maior exemplo de como a ação humana interfere na água disponível no planeta esteja na Ásia Central, no Mar de Aral. Significa “mar das ilhas”, mas hoje pouco restou do corpo de água que dava nome ao local. Encravado entre o Uzbequistão e o Cazaquistão, o Aral era o quarto maior lago do mundo até 1960, ocupando uma área de 68 mil quilômetros quadrados – o equivalente a cerca da metade do Ceará. Hoje, não restam nem 10% de sua área original. O desastre é fruto de projetos muito mal concebidos na época da União Soviética: as águas dos Rios Amu e Syr, que alimentam o Aral, foram desviadas para irrigar lavouras em extensões desérticas daquela parte do mundo. Em pouco tempo, o lago começou a ver suas águas recuarem, numa dinâmica que não parou mais.
Além de supersaturada de sal, a água que resta está bastante poluída por agrotóxicos oriundos das lavouras nas proximidades. Em condições tão adversas, todo o ecossistema do Aral ficou comprometido, e o clima próximo tornou-se mais desértico. As antigas ilhas surgiram na paisagem como cumes de áridas montanhas. A insalubridade afeta a saúde humana. Arrastada pelos ventos, a areia poluída do leito seco espalha-se por quilômetros, afetando as populações. Como resultado, aumenta a incidência de doenças respiratórias, de fígado e dos rins e os casos de câncer.
 http://msalx.almanaque.abril.com.br/2013/08/19/1216/pagina-96-97_02.jpeg?1376926164
Os especialistas consideram impossível devolver ao Aral a configuração e as características de 50 anos atrás. Mais fácil é corrigir a salinidade e a poluição em algum bolsão, isoladamente. O Cazaquistão realizou uma experiência no lago norte em 2005, construindo um grande dique para reter a água no que restava do mar. Com a ação, o nível da água subiu e a salinidade caiu. Os peixes voltaram e, com eles, a pesca – atividade econômica que garante a sobrevivência de comunidades locais. Para os lagos no sul, as perspectivas não são tão boas. É que as obras, muito maiores, exigem dezenas de bilhões de dólares e dependem de acordos difíceis de se concretizarem entre as nações que dividem a Bacia do Rio Amu.

Fontes de conflitos

O exemplo do Mar de Aral revela uma das facetas da crise global de água, pois as necessidades econômicas acirram, cada vez mais, disputas pelo precioso líquido. O principal foco de briga está nos rios e bacias compartilhados por dois ou mais países. Essa foi uma das motivações do Ano Internacional de Cooperação pela Água. A palavra “cooperação” ganha um caráter estratégico: a ONU espera que as sociedades desenvolvam mecanismos de ação compartilhada para manejar as fontes hídricas capazes de gerar benefícios econômicos e melhorias no padrão de vida das populações envolvidas. Além disso, o termo não deixa de ter um apelo pacifista, à medida que os conflitos pelo controle das fontes de água são uma realidade em vários pontos do planeta.
Um exemplo é o Rio Nilo, que, ao atravessar o Deserto do Saara, é a base da vida no Egito há milhares de anos. Antes de atingir o território egípcio, suas águas atravessam diversos países, como o Sudão, a Etiópia e o Quênia. As águas podem ser afetadas por barragens, uso excessivo ou poluição na parte superior da bacia antes de chegar ao Egito. As políticas de gestão do Nilo, por isso, são assunto importante na relação entre o Egito e seus vizinhos.
 http://msalx.almanaque.abril.com.br/2013/08/19/1216/pagina-96-97_01.jpeg?1376926164
No mundo, existem mais de 200 aquíferos localizados em subterrâneos de mais de uma nação, como o Guarani – que se estende sob o Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. Há mais de 260 bacias hidrográficas transnacionais, que abrangem 148 países e 40% da população mundial. Os especialistas estimam que, se tais recursos não forem bem manejados em conjunto pelas nações envolvidas, pode-se criar um contingente de 100 milhões de migrantes nas próximas duas décadas. Avaliam também que, no século XXI, a água pode ser o principal deflagrador de guerras.
O Instituto Pacífico, especializado no tema, contabiliza mais de 50 episódios de confronto militar, revoltas populares ou ataques terroristas relacionados ao acesso à água, entre 2000 e 2012.
O atual conflito na Síria tem como um dos panos de fundo a disputa pela água. Depois que Bashar al-Assad assumiu, em 2000, passou a favorecer os grandes fazendeiros, que acumularam terra e extraíram do subsolo a água sem qualquer controle, reduzindo as reservas hídricas do país. As dificuldades para manter as lavouras acabou por expulsar pequenos agricultores do campo, e a seca que atingiu o país entre 2006 e 2011 acentuou o êxodo rural. Os centros urbanos incharam, e o governo não conseguiu prover serviços adequados a uma massa de crianças que chegava ao início da vida adulta com grande descontentamento com a situação, quando o conflito começou.
Um dos casos mais persistentes de disputa pela água, que também envolve a Síria, é a tensão permanente, há décadas, entre o país e Israel, na disputa pelas Colinas de Golã, região síria ocupada militarmente pelos israelenses em 1967. Além da importância militar, em função de estarem em um terreno elevado, as colinas abrigam as nascentes do Jordão, o principal rio da região. As águas do Jordão são de uso vital para as populações da região, inclusive para palestinos, que dependem de Israel para ter acesso a elas. A preocupação aumenta, pois o Rio Jordão vem perdendo volume de água, e as margens do Mar Morto, onde ele deságua, estão recuando.

Questão de saúde

HAITI DOENTE - Menino de Porto Príncipe compra água: a epidemia de cólera, doença transmitida por água contaminada, matou mais de 8 mil pessoas desde 2010

Crédito: Marco Dormino/UN Photo/UNICEF
Uma das bases da vida humana, o acesso à água de boa qualidade está diretamente ligado à saúde. A ONU considera que desenvolvimento socioeconômico e água são fatores interdependentes. Sem água, não é possível sobreviver. Mas o excesso dela também atrapalha: enchentes forçam pessoas a deixarem suas casas, além de transmitirem doenças. Sem água limpa, a população adoece. E sem saúde, as crianças têm dificuldade em aprender e os adultos, em trabalhar. Forma-se um círculo vicioso: sem trabalho e aprendizado, uma população permanece subdesenvolvida e pobre – o que contribui para mais desinformação e maior incidência de doenças. Estima-se que, no mundo todo, mais de 700 milhões de pessoas não tenham acesso à água potável e 2,3 bilhões careçam de esgoto tratado.
A água transmite ou está relacionada com a transmissão de diferentes tipos de enfermidades, divididos em quatro grupos de acordo com os tipos de transmissão:
  • Águas fluviais contaminadas: transmissão direta por meio da ingestão ou contato com água não tratada. Exemplo: a diarreia, que mata mais de 2 milhões de pessoas a cada ano.
  • Contaminação por falta de água: acontece quando a quantidade de água disponível não é suficiente para a higiene pessoal. Exemplo: a diarreia.
  • Doenças causadas por agentes patogênicos, pelo consumo de alimento contaminado ou pelo contato interpessoal: são transmitidas por organismos que vivem na água ou precisam dela em seu ciclo de vida. Exemplo: a esquistossomose, que afeta 200 milhões de pessoas a cada ano.
  • Contaminação por hospedeiros: são transmitidas por insetos que têm seu ciclo de vida ligado à água. Exemplos: a dengue, a febre amarela e a malária. Juntas, essas doenças causam 1,5 milhão de mortes por ano no mundo.
As maiores vítimas das doenças são as crianças de países pobres e em desenvolvimento: do total de pessoas que morrem anualmente de diarreia, 90% têm abaixo de 5 anos. Mesmo quando não causa a morte diretamente, a água contaminada provoca enfermidades que debilitam o indivíduo, tanto física quanto mentalmente. É o caso da esquistossomose, que retarda o crescimento e afeta a capacidade de aprendizagem das crianças.
Para quase todas as doenças, a contaminação poderia ser evitada com água limpa e uma rede de tratamento de esgoto. A difusão de hábitos de higiene, o monitoramento de represas e o cuidado com a limpeza de vegetações aquáticas e controle de pântanos também são mecanismos de combate à difusão dessas enfermidades. Essas medidas fariam a mortalidade infantil diminuir drasticamente no mundo e, como resultado, haveria o aumento da expectativa de vida da população mundial.
A solução da crise de água em toda sua extensão – enfrentamento de secas, medidas contra a desertificação e as enchentes, gerenciamento adequado das fontes hídricas – exige investimento maciço de recursos com objetivo de ampliar o acesso universal aos serviços de fornecimento de água e saneamento, além de acordos efetivos entre países para a cooperação no uso da água. Os especialistas apontam também a necessidade de mudança nos padrões de produção e consumo, para evitar o desperdício de água nas esferas doméstica, industrial e agropecuária.

Fonte: Almanaque Abril https://almanaque.abril.com.br/materia/um-problema-que-afeta-a-todos

Russia ameaça com o que tem: fornecimento de gás natural

O presidente da estatal russa Gazprom, Alexei Miller, ameaçou nesta sexta-feira cortar o fornecimento de gás natural da Ucrânia se o país não pagar a dívida de US$ 1,89 bilhão (R$ 4,4 bilhões) que tem com a empresa.
A advertência é feita em meio à crise diplomática entre o governo russo e o novo governo da Ucrânia, que é aliado dos Estados Unidos e da União Europeia. O gás é um dos principais motivos da dependência ucraniana a Moscou.
Miller argumenta que a ucraniana Naftogaz pagou menos de 50% da dívida que tem com a Gazprom e que, por isso, tem o direito de cortar o fornecimento. "Não podemos fornecer gás de graça. Ou a Ucrânia salda a dívida e atualiza os pagamentos, ou há o risco de voltar à situação do início de 2009."
ENTENDA
Há cinco anos, a Rússia cortou a provisão de gás ao país vizinho devido a outra dívida, o que prejudicou também o fornecimento do combustível a outros países da Europa. Na época, o bombeamento do gás foi prejudicado durante 20 dias do inverno europeu.
A medida acontece três dias depois que a Gazprom anunciou a manutenção do preço do combustível pago atualmente pela Ucrânia. Em dezembro, a Rússia havia anunciado uma redução de 40% no valor, que havia sido prometido ao presidente deposto Viktor Yanukovich.
A situação, no entanto, deve ser minimizada devido ao empréstimo de € 11 bilhões (R$ 35 bilhões) oferecido pela União Europeia à Ucrânia. Os Estados Unidos também forneceram parte do gás produzido pelo país para Kiev, em caso de represália russa.
  ucrânia dividida Regiões sul e leste do país têm maioria russa

PRESSÃO
A mudança do preço do gás faz parte de uma nova pressão da Rússia sobre o governo interino da Ucrânia. Os dois ainda disputam a região autônoma da Crimeia, que pertence à Ucrânia, mas tem 60% da população de origem russa.
Desde a semana passada, a área é ocupada por soldados russos e milícias aliadas ao Kremlin. Nesta sexta, a Ucrânia disse que a Rússia enviou 30 mil militares à região, o que fere o acordo dos dois países para o uso da base de Sebastopol.
Na quinta (6), o Parlamento local convocou um referendo para decidir a incorporação à Federação Russa, em uma manobra que acontece dias após o presidente Vladimir Putin ter dito que só interviria na região se os cidadãos locais assim o desejassem.
Os problemas começaram em novembro, quando multidões começaram a ir às ruas da capital ucraniana, Kiev, para pressionar o então presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, a fechar um acordo comercial com a União Europeia em detrimento de um com a Rússia, sem sucesso.
O movimento se fortaleceu diante da derrota e ocupou a Prefeitura de Kiev e a Praça da Independência. O governo reagiu com violência e prisões arbitrárias, o que pareceu dar gás aos manifestantes. Depois de meses de embate, em fevereiro, Yanukovich deixou o país, e um governo interino pró-UE assumiu o poder.
O Ocidente reconheceu a troca, mas o governo russo viu nela um golpe de Estado. Com base nisso, alegou que havia ameaça aos cidadãos de etnia russa que vivem na Crimeia e foi, aos poucos, tomando o controle da área. 
Fonte: Folha de S. Paulo. Caderno Mundo. 09.03.2014

Trabalho Escravo, ainda uma realidade no Brasil

Obras de infraestrutura abrem espaço para uma nova categoria de trabalhadores no país: os resgatados em ações de combate ao trabalho escravo.
A iniciativa começou em Mato Grosso, em construções como a do estádio Arena Pantanal, da Mendes Júnior, em Cuiabá, e da usina hidrelétrica Teles Pires, da Odebrecht, na divisa dessa região com o Pará. E neste ano deve se expandir para ao menos três Estados, que negociam com parceiros locais vagas para essa mão de obra.
Rio, Bahia e Pará discutem programas como o Ação Integrada, que em Mato Grosso empregou 588 trabalhadores resgatados entre 2011 e 2013. A carteira assinada nas obras vem acompanhada de cursos de qualificação e alfabetização promovidos em parceria por entidades como Sesi e Senai e empresas da construção, de colheita de algodão e de criação de suínos.
O número de resgatados que voltam ao mercado de trabalho em programas como esse ainda é pequeno diante do total de libertados no Brasil. Foram 2.300 no ano passado e perto de 46 mil desde 1995, quando o país reconheceu a existência de trabalho análogo à escravidão.
Mas o número de empregados em MT (588) já representa quase dois terços dos 1.615 que receberam o seguro-desemprego especial de resgatados nesse Estado, de 2003 a 2012. A expansão do programa abriu espaço para uma discussão entre fiscais, procuradores do Ministério Público e especialistas que atuam no combate a essa prática.
"É preciso entender que esse trabalhador precisa ser resgatado em vários aspectos. Não adianta simplesmente assinar a carteira. O programa avalia a aptidão profissional, resgata a cidadania (muitos nem documentos têm) e ajuda com cursos práticos. Na sala de aula, prepara esse trabalhador", diz Valdiney Arruda, superintendente do Trabalho em Mato Grosso e coordenador do programa.
 
'OUTRA VIDA'

O paulista José Divino da Silva, 59, chegou à obra da Arena Pantanal desnutrido, com anemia e sem condições físicas de enfrentar a rotina da construção. Foi caminhoneiro e acabou indo parar numa fazenda de algodão em Primavera do Leste (MT).

"Ganhava R$ 14 para capinar cada rua da plantação. Levava até três dias para fazer uma rua com 3.400 metros. Morava num barracão com 40 colegas. E só tinha uma paredinha separando a gente do chiqueiro. Quando chovia, os porcos invadiam o cômodo."

Com a saúde frágil, Divino foi empregado como responsável por cuidar do alojamento da obra. "A vida mudou muito. Naquele tempo, a comida era fraca e pouca. A gente comia carne só quando alguém caçava tatu. Agora tenho carteira assinada, salário e consegui comprar meu carrinho, em 36 vezes."

Na obra de construção da hidrelétrica Teles Pires, a história do baiano Anílton Conceição dos Santos, 30, resgatado de uma fazenda em Itiquira (MT) há menos de um ano, traz semelhanças com a de Divino. "Trabalhava sob sol e chuva. Posso dizer, sim, que era quase um escravo."

A promessa era receber R$ 1.600 de salário, mas, com todos os descontos e dívidas, diz, o dinheiro nunca chegava ao bolso. "A comida custava caro, a bota era descontada. Cada vez que pedia para ir à cidade, o frete custava R$ 190. Quando saía da fazenda, levava advertência." Anílton fez curso de soldador e tem sonhos: quer estudar mais, ser motorista e viajar pelo Brasil.

"Como o Brasil virou um canteiro de obras e faltam profissionais, a vinda desses trabalhadores também foi uma alternativa importante", diz Chrispim Sheikespire, gerente administrativo na obra do estádio Pantanal.
Há vários casos de trabalhadores que já estão sendo promovidos. Durval Fernandes da Silva, 40, começou como servente, mudou de cargo duas vezes e vai ser oficial de armador na obra de duplicação da BR-163
Fonte: Folha de S. Paulo. Caderno Mercado. 08.03.2014
 

ATUALIDADES - Simulado IDH

O IDH é usado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) para avaliar a qualidade de vida e o desenvolvimento de um país. Ele combina a renda per capita do país e indicadores em saúde e educação. Faça o simulado e saiba tudo sobre o IDH



1 - Além da renda per capita do país, quais são os outros critérios levados em conta na avaliação do IDH?
a) Mortalidade infantil, número de hospitais e número de analfabetos.
b) Criminalidade, número de crianças matriculadas em escolas e acesso à energia elétrica.
c) Número de casas com esgoto, número de analfabetos e número de anos que se espera que as crianças permaneçam na escola.
d) Expectativa de vida, média de escolaridade dos adultos e número de anos que se espera que as crianças permaneçam na escola.

2 - Qual país obteve a melhor classificação no IDH em 2013?
a) Islândia.
b) Suécia.
c) Alemanha.
d) Suíça.

3 - Qual é a classificação do Brasil no IDH?
a) Muito alto desenvolvimento humano.
b) Alto desenvolvimento humano.
c) Médio desenvolvimento humano.
d) Baixo desenvolvimento humano.

4 - Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a esperança de vida do brasileiro aumentou cerca de 18 anos nas últimas quatro décadas. Aponte a alternativa que não traz uma das causas para esse aumento.
a) Campanhas de vacinação.
b) Maior acesso a serviços de saúde.
c) Melhora na educação.
d) Penas mais duras para crimes graves.

5 - As causas de morte são um indicador da qualidade de vida de um país. No Brasil, o aumento no número de mortes provocadas por doenças do aparelho circulatório, por exemplo, indica, além do envelhecimento da população, o aumento no número de pessoas que adotam um estilo de vida inadequado (sedentarismo, má alimentação, consumo de álcool e cigarros). Indique a alternativa que aponta, respectivamente, os motivos da redução de doenças infecciosas e do aumento no número de mortes causadas por câncer no Brasil.
a) Melhora do saneamento básico e envelhecimento da população.
b) Realização de mais campanhas de vacinação e falta de diagnóstico adequado para tumores.
c) Melhora na alimentação e aumento do número de fumantes.
d) Descoberta de tratamentos mais eficazes e maior exposição à poluição.

6 - Em 2010, o Japão obteve o mais alto índice de saúde calculado pelo Pnud. O que é levado em conta nesse cálculo?
a) A taxa de mortalidade infantil.
b) A expectativa de vida da população.
c) O número de pessoas com acesso a saneamento básico.
d) A relação entre o número de hospitais disponíveis e o tamanho da população do país.

7 - A média de anos de estudo aumentou mais de 20% no Brasil, passando de 5,5 anos em 2000 para 7,2 anos em 2009. Mas o país ainda enfrenta desafios no campo da educação. Indique a alternativa que traz os principais problemas que prejudicam a qualidade do ensino no país.
a) Falta de material pedagógico adequado e professores mal qualificados.
b) Violência nas escolas e alto preço do material escolar.
c) Despreparo dos professores e horários inadequados para aulas.
d) Falta de merenda escolar e desrespeito aos professores.

8 - Nos últimos anos, o número de alunos matriculados no Ensino Fundamental no Brasil tem caído. Em 2002, o país possuía 35,3 milhões de alunos matriculados nesse nível de ensino e em 2009 o número passou para 31,7 milhões. Qual é a causa para essa queda?
a) Aumento da miséria em regiões rurais, obrigando crianças a trabalhar em plantações para ajudar a família.
b) Aumento do número de famílias de alto poder aquisitivo que optam por ensinar seus filhos em casa com professores particulares.
c) Baixos salários dos professores, provocando a migração desses profissionais para outras carreiras e causando déficit no número de docentes necessários para manter as escolas.
d) Queda na taxa de natalidade, causando a diminuição do número de crianças em idade escolar.

9 - O índice de Gini mede um dos aspectos que causam mais impacto na qualidade de vida dos cidadãos de um país. O que é medido nesse índice?
a) A taxa de analfabetismo de um país.
b) O número de mulheres que morrem ao dar à luz.
c) A desigualdade na distribuição de renda.
d) O número de mortes violentas entre pessoas com mais de 25 anos.

10 - Em 2010 foram criados três novos índices que complementam o IDH. Um deles é o Índice de Desigualdade de Gênero (IDG), que mede as desvantagens das mulheres em relação aos homens na sociedade. Indique a alternativa que não traz um dos aspectos levados em conta na medição do IDG.
a) Proporção de adolescentes que tiveram filhos.
b) Proporção de homens e mulheres acima dos 25 anos que estudaram até o segundo grau completo.
c) Número de ocorrências de violência doméstica contra a mulher.
d) Participação de homens e mulheres no mercado de trabalho.

Fonte: http://guiadoestudante.abril.com.br