Preso, co-autor dos Ataques na Maratona de Boston, é interrogado

Durante a perseguição que resultou na prisão de  Dzhokhar Tsarnaev, co-autor dos atentado na Maratona de Boston, é gravemente ferido

Agentes federais começaram na noite deste domingo a interrogar Dzhokhar Tsarnaev, suspeito de ser co-autor dos atentados de Boston da segunda-feira passada junto a seu irmão Tamerlan, e, segundo informaram vários meios de imprensa americanos, está ele respondendo às perguntas.
A rede de TV NBC assegurou que Tsarnaev, de 19 anos, está começando a responder a uma equipe especializada de investigadores federais de maneira escrita, já que o jovem tem lesões na garganta produzidas durante o tiroteio no qual seu irmão morreu na noite de quinta para sexta-feira. A CNN também afirma ter obtido a confirmação do início do interrogatório do suspeito, que se comunica por escrito, de uma fonte policial.
Por sua vez, a rede ABC aponta que as questões do interrogatório até o momento se centraram em se os dois irmãos pertenciam a uma célula terrorista de caráter internacional.
Ainda se desconhece, por enquanto, se foram lidos seus direitos básicos para o jovem, conhecidos como "Miranda rights", antes de começar o interrogatório, um assunto que levantou polêmica, já que tal exceção é aplicada quando a segurança pública está em perigo, algo que as autoridades já descartaram após a detenção do suspeito.
A princípio as autoridades se reservaram a leitura dos direitos de Tsarnaev perante a possibilidade de que deste modo não pudesse acolher-se ao direito a permanecer em silêncio quando fosse interrogado, e poder assim tirar mais informação do suspeito para elucidar como e por que executaram os atentados.
A ABC também assegura, baseando-se em fontes ligadas ao caso, que o detido sabe que seu irmão morreu durante o tiroteio posterior à perseguição que as forças de segurança realizaram contra ambos na noite da quinta-feira.

Fonte:  Folha de S. Paulo Mundo 21.04.2013

Holanda faz festa para coroação do rei

Willem-Alexander, 46, herdará o trono após a abdicação de sua mãe, a rainha Beatrix, 75, a ser oficializada hoje
Argentina Maxima será nova rainha, e garota de 9 anos vira herdeira do trono; republicanos preparam manifestação
Com festa nas ruas e nos canais de Amsterdã, a Holanda se veste de laranja hoje para celebrar a coroação de Willem-Alexander, 46.
Ele será o rei mais jovem da Europa e o primeiro homem a chefiar a monarquia de seu país desde a morte do trisavô Willem 2º, em 1890.
A sucessão foi antecipada pela abdicação de sua mãe, a rainha Beatrix, 75. Ela reinou durante 33 anos e anunciou em janeiro que passaria o trono ao filho mais velho.
O gesto seguiu a tradição da casa de Orange-Nassau. As rainhas Juliana, avó do novo rei, e Guilhermina, bisavó, também abdicaram.
Desta vez, a transição foi marcada para o Dia da Rainha, feriado em que os holandeses fazem uma espécie de carnaval em Amsterdã.
A cor laranja, símbolo da monarquia, já dominava ontem todas as vitrines e adereços usados por locais e turistas. Os hotéis estão lotados e a população da cidade, de 800 mil pessoas, deve dobrar com a chegada de visitantes.
A festa dos súditos vai se misturar ao roteiro de celebrações oficiais. Durante todo o dia, estão programados shows e concertos nas principais praças da capital.
Às 10h locais (5h30 de Brasília), a rainha Beatrix vai assinar o termo de abdicação no palácio real. Meia hora depois, ela e o filho vão à sacada para saudar 20 mil súditos e fazer breves discursos.
A coroação será às 14h, numa cerimônia fechada na Nieuwe Kerk (Nova Igreja).
Foram convidados representantes de outras 17 monarquias, incluindo o príncipe Charles, 64, que tem 18 anos a mais que Willem-Alexander. A mãe dele, a rainha Elizabeth 2ª, acaba de fazer 87 anos e não dá sinais de que seguirá o exemplo de Beatrix. 
Novo rei da Holanda cumprimenta súditos ao lado da mulher Máxima e das filhas Catharina-Amalia, Ariane (centro) e Alexia
À tarde, o novo rei e a nova rainha, a argentina Máxima Zorreguieta, 41, passearão num barco aberto por canais de Amsterdã. Mais tarde, eles oferecerão um jantar de gala para convidados.
A partir de agora, o primeiro lugar na linha sucessória será da filha mais velha do casal, Catharina-Amalia, 9. Se o novo rei morrer ou abdicar antes de ela completar 18 anos, suas funções serão assumidas por um regente.
Ontem, a rainha Beatrix fez um último discurso na TV, no qual agradeceu o apoio e o carinho dos súditos.
REPUBLICANOS
Num continente onde vários países trocaram monarquias por repúblicas, a Holanda fez o caminho inverso. O rei Willem 1º foi coroado em 1815, depois que as tropas napoleônicas foram expulsas do país. Antes da invasão, a Holanda foi uma república entre os séculos 16 e 18.
O regime atual é aprovado por 78% dos holandeses. Militantes republicanos prometem fazer protestos. Eles conclamaram os simpatizantes da causa a boicotar o laranja e sair às ruas de branco. 

Fonte: Folha de S. Paulo. Mundo 30.04.2013



Explosões na maratona de Boston deixam feridos

Duas fortes explosões atingiram a região próxima da linha de chegada da Maratona de Boston, na tarde desta segunda-feira. De acordo com a rede de TV americana CNN, ao menos seis pessoas ficaram feridas.
Não há informações sobre a origem das explosões.
O hotel ao lado, que serve de base para a organização do evento, foi interditado. Pelo menos um outro hotel, em outro ponto da cidade, também foi fechado --segundo a CNN, foi o Mandarin Oriental e, segundo o jornal "Boston Globe", o Lennox Hotel.
Conforme o "Globe", pouco mais de uma hora após a explosão, a polícia ainda planejava realizar a explosão controlada de um objeto, a alguns metros de distância.
O "Globe" informa que as explosões aconteceram por volta das 15h, cerca de três horas depois da chegada dos vencedores. O local, porém, ainda estava cheio de participantes e torcedores.

Testemunhas afirmaram ao que uma nuvem de fumaça invadiu as ruas dos arredores.
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama fala ao telefone com Robert Mueller, diretor do FBI, sobre as explosões em Boston
Um porta-voz da Maratona de Boston disse a repórteres que está orientando as pessoas a saírem do hotel onde teriam acontecido as explosões, e que servia como quartel-general da organização do evento, nem nos arredores do local.
A Casa Branca informou, via Twitter, que Barack Obama orientou seu governo a oferecer qualquer ajuda necessária para investigação e resposta à ocorrência.
Mike Mitchell, um corredor canadense que havia acabado de completar a prova afirma que olhou para trás na altura da linha de chegada e viu uma "grande explosão". A fumaça subiu a 15 metros de altura, segundo o atleta.
A corrida em Boston é a maratona anual mais antiga do mundo, tendo sido realizada pela primeira vez em 1897, e se encontra em sua 117ª edição. Ela acontece toda terceira segunda-feira do mês de abril, no Patriot's Day, um feriado estadual em Massachusetts. 

Fonte: Folha de S. Paulo Mundo 15.04.2013

Desempenho de cotistas apresenta inferior entre universitários

Alunos de graduação beneficiários de políticas de ações afirmativas, como cotas e bônus, têm apresentado desempenho acadêmico pior que os demais estudantes nas universidades públicas do país, mostram estudos recentes.
As pesquisas também concluem que a diferença de notas perdura até o fim dos cursos e costuma ser maior em carreiras de ciências exatas.
Universitários que ingressaram em instituições públicas federais por meio de ação afirmativa tiraram, em média, nota 9,3% menor que a dos demais na prova de conhecimentos específicos do Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), que avalia cursos superiores no país.
No caso das universidades estaduais, cotistas e beneficiários de bônus tiveram nota, em média, 10% menor.
Os dados fazem parte de estudo recente dos pesquisadores Fábio Waltenberg e Márcia de Carvalho, da UFF (Universidade Federal Fluminense), com base no Enade de 2008, que pela primeira vez identificou alunos que ingressaram por políticas de ação afirmativa.
Foram analisados os desempenhos de 167.704 alunos que estavam concluindo a graduação nos 13 cursos avaliados em 2008, como ciências sociais, engenharia, filosofia, história e matemática.
"Encontramos diferenças razoáveis. Não são catastróficas como previam alguns críticos das ações afirmativas, mas é importante registrar que existe uma diferença para não tapar o sol com a peneira", diz Waltenberg.
Para ele, o desnível atual é um preço baixo a se pagar pela maior inclusão. Mas ele ressalta que, com a ampliação da política de cotas (que atingirão 50% das vagas das federais até 2016), é possível que o hiato entre as notas se amplie.
 

EVASÃO MENOR
Pesquisa recente feita pelo economista Alvaro Mendes Junior, professor da Universidade Cândido Mendes, sobre o resultado de ações afirmativas na Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) revela que o nível de evasão entre os cotistas na universidade é menor do que entre outros estudantes.
Mas os dados levantados por ele --que acompanhou o progresso de alunos que ingressaram em 2005 em 43 carreiras-- confirmam as disparidades de desempenho.
O coeficiente de rendimento (média das notas) de alunos não beneficiários de ações afirmativas que se formaram até 2012 foi, em média, 8,5%, maior do que o dos cotistas. Em carreiras como ciência da computação e física essa diferença salta para, respectivamente, 43,2% e 73,2%. 

Fonte: Folha de S. Paulo.  Cotidiano 28.04.2013


Brasil ocupa 116.º lugar em educação, segundo Banco Mundial

O ranking é liderado pela Finlândia, seguida por Cingapura e Suécia. O Brasil, vem ganhando posições. Mas sua posição hoje do País no ranking não condiz com uma das sete maiores economias do mundo.
GENEBRA - Com um dos piores ensinos de matemática e ciências do mundo, o Brasil reduz sua capacidade de adaptação ao mundo digital. Um informe apresentado nesta quarta-feira, 10, pelo Fórum Econômico Mundial aponta que o País subiu apenas da 65.ª para a 60.ª posição entre as nações mais preparadas para aproveitar as novas tecnologias em seu crescimento.
Além do ranking sobre capacidade de adaptação ao mundo digital, o Fórum divulgou outros dois, referentes ao ensino de matemática e de ciências.
Entre os 144 países avaliados, o Brasil aparece no 116.º lugar em educação, atrás, por exemplo, de Chade, Suazilândia e Azerbaijão. Em ciências, Venezuela, Lesoto, Uruguai e Tanzânia estão melhores posicionados no ranking que o Brasil, que ocupa a 132.ª posição.
O resultado é uma estagnação no avanço da tecnologia no Brasil, apesar dos investimentos públicos em infraestrutura e de um certo dinamismo do setor privado nacional. Na América Latina, países como Chile, Panamá, Uruguai e Costa Rica estão melhores preparados para enfrentar o mundo digital que o Brasil.
“Apesar desse progresso, a tradução dessa maior cobertura em impactos econômicos em inovação e competitividade está estagnada”, alerta o documento. Um dos motivos é a “qualidade do sistema educacional, que aparentemente não garante as habilidades necessárias para uma economia em rápida mudança em busca de talentos”, indicou. Mesmo em países pobres como Senegal, Quênia e Camboja, o acesso de escolas à internet é superior, segundo o informe.
O ranking é liderado pela Finlândia, seguida por Cingapura e Suécia. O Brasil, de fato, vem ganhando posições. Mas os autores do informe estimam que a posição hoje do País no ranking não condiz com uma das sete maiores economias do mundo.
O informe considera que a maioria das economias em desenvolvimento continua sem conseguir criar as condições necessárias para reduzir a falta de competitividade existente na área da tecnologia de informação, em comparação às economias desenvolvidas. “No Brasil temos grande desenvolvimento por parte de empresas multinacionais para melhorar a competitividade, mas esse empenho não se estende por todo o setor privado”, alertou o editor do informe, Beñat Bilbao-Osorio.

Internet

A subida de posição do Brasil no ranking vem dos avanços em infraestrutura e do fato de o País ter dobrado a capacidade de uso de banda larga, além de ampliar a rede de celulares. Em bandas fixas, o Brasil é o 11.º colocado no ranking.
Outro problema sério, porém, é o ambiente para promover inovação e burocracia, além do custo dos celulares, um dos mais altos do mundo. O Brasil aparece na 130.ª posição entre os 144 países, superado pelo Gabão.
O número de usuários de internet no Brasil, em 2011, também não chegava ainda a 45%, o que deixa o País na 62.ª posição nesse critério, abaixo da Albânia. Apenas um terço dos brasileiros tem internet em casa. A taxa despenca para apenas 8% se o critério for o número de casas com banda larga.
O Brasil não é o único a passar por essa situação. “Os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) enfrentam desafios”, diz o informe. “O rápido crescimento econômico observado em alguns desses países nos últimos anos poderá ser ameaçado, caso não forem feitos os investimentos certos em infraestruturas, competências humanas e inovação na área das tecnologias da informação”, alerta.
“A digitalização criou 6 milhões de empregos e acrescentou US$ 193 bilhões à economia global em 2011. Apesar de positivo, o impacto da digitalização não é uniforme nos setores e economias – cria e destrói empregos”, disse Bahjat El-Darwiche, Sócio, Booz & Company.

RANKING
Segundo a capacidade de adaptação ao mundo digital
1. Finlândia
2. Cingapura
3. Suécia
4. Holanda
5. Noruega
6. Suíça
7. Reino Unido
8. Dinamarca
9. EUA
10. Taiwan
60. Brasil

Fonte: Estadão.com.br. 10 de abril de 2013
Foto: 100porcentoaprendizagem.blogspot.com 

Margaret Thatcher (1925-2013)

A mulher que transformou a política do Reino Unido, ajudou a enterrar a Guerra Fria e serviu de ícone para governos neoliberais em todo o mundo morreu ontem aos 87 anos, em Londres.

Premiê britânica revolucionou a economia e atraiu a ira da esquerda

Margaret Thatcher partiu "em paz", segundo um porta-voz da família, e terá um funeral com honras militares nos próximos dias.
Ela sofria de demência senil e estava afastada da política havia mais de uma década, por ordens médicas. Mesmo assim, continuava a ser a líder mais amada e odiada pelos britânicos, como indicaram as reações à sua morte.
O governo conservador decretou luto oficial, e sindicalistas festejaram nas ruas de Londres e Glasgow.
Num país acostumado a se curvar diante de rainhas, Thatcher foi a única mulher até hoje a ocupar o cargo de primeira-ministra. Ficou no poder entre 1979 e 1990, um recorde desde o século 19.
Suas administrações foram marcadas pela privatização de empresas estatais, pelo confronto com os sindicatos e pelo fechamento de fábricas, o que resultou em violentos protestos pelo país.
No plano externo, ela combateu o fortalecimento da União Europeia, alinhou-se ao presidente americano Ronald Reagan na cruzada contra o comunismo e teve papel decisivo na pressão pelo fim da União Soviética.
O primeiro-ministro David Cameron, do Partido Conservador, disse que ela foi a líder mais importante desde Winston Churchill (1874-1965).
"A verdade sobre Margaret Thatcher é que ela não apenas liderou o nosso país. Ela salvou o nosso país", disse.
O líder da oposição trabalhista, Ed Miliband, mediu as palavras para demonstrar respeito e marcar as divergências com a conservadora.
"Discordamos de muito do que ela fez, e ela continuará para sempre como uma figura controversa. Mas podemos discordar e respeitá-la imensamente", afirmou.
David Hopper, dirigente do Sindicato Nacional dos Mineradores, expressou o ódio de uma das categorias mais atingidas por seu governo.
"Ela se esforçou para destruir os sindicatos. Dizimou a nossa indústria e destruiu as nossas comunidades."
DISCÓRDIA
Ao chegar a Downing Street para o seu primeiro dia de governo, em 5 de maio de 1979, Thatcher recitou um trecho da oração de Francisco de Assis: "Onde houver discórdia, que levemos a união".
A vaia de rivais que ouviam o discurso foi um prenúncio de que o clima predominante nos seus 11 anos no poder seria exatamente o contrário.
Com estilo duro, Thatcher conseguiu vencer a inflação e as greves que paralisavam o país antes de sua eleição, mas enfrentou forte rejeição popular. Caminhava para uma derrota nas urnas quando a ditadura argentina invadiu as ilhas Malvinas, em março de 1982.
Ela bancou a guerra, fazendo jus ao apelido de Dama de Ferro, e colheu os louros da vitória depois de dois meses de confronto. Garantiu a reeleição em 1983, mas sua tranquilidade só duraria até o ano seguinte, com uma nova onda de greves.
A divisão dos trabalhistas favoreceu uma terceira vitória em 1987, mas o triunfo sobre os soviéticos no front global não se refletiu em apoio na política britânica.
O hábito de colecionar inimigos em seu próprio partido fez com que Thatcher enfrentasse um movimento cada vez mais forte de aliados dispostos a derrubá-la. O golpe final veio em 1990, quando foi forçada a renunciar e passou o cargo ao ex-assessor John Major.
Quando os trabalhistas finalmente voltaram ao poder com Tony Blair, em 1997, tinham incorporado muitos postulados liberais impostos pela adversária histórica.
"O chamado novo trabalhismo mostrou que a influência de Thatcher foi universal. No fim das contas, ela conseguiu remodelar todos os partidos britânicos", disse à Folha o historiador Richard Vinen, professor do King's College e autor do livro "Thatcher's Britain".
A primeira-ministra morreu no hotel Ritz, onde estava sob cuidados médicos desde dezembro, quando foi internada para a retirada de um tumor na bexiga.
No fim da tarde, a reportagem contou 47 ramos e coroas de flores em frente à sua casa, em Belgravia, região nobre de Londres.
Mas uma caixinha de leite repousava como protesto solitário contra uma de suas medidas mais impopulares de corte de gastos: a retirada do leite gratuito nas escolas quando ocupava o cargo de ministra da Educação, no início dos anos 70.
 
 
Fonte: Folha de S. Paulo - Mundo (09.04.2013)

(Mais um...) Vazamento de Petróleo no Litoral Paulista

A mancha de óleo que vazou de um píer da Petrobras na tarde de sexta-feira (5), em São Sebastião, se alastrou pelo litoral norte de São Paulo e já atinge ao menos três praias movimentadas na cidade vizinha de Caraguatatuba.
Segundo Foster, o vazamento em São Sebastião corresponde a 22 barris de óleo e cada um tem, em média, capacidade para 160 litros. As causas e a origem do vazamento serão conhecidas na próxima sexta-feira (12). "Até sexta-feira vamos saber porque vazou, o que vazou, e o que fazer para que isso não se repita", disse Graça durante apresentação do Plano de Negócios 2013-2017 para cerca de 500 empresários na Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro). Graça afirmou que para ela "qualquer vazamento diferente de zero é grave".
Aproximadamente 500 pessoas e 37 embarcações foram mobilizadas para fazer o trabalho de limpeza
Uma válvula deixada aberta durante o abastecimento de um navio pode ter ocasionado o vazamento. O problema ocorreu em um terminal de uso privativo da Petrobras, no porto de São Sebastião.
O vazamento já atingiu 14 praias da região, dez em São Sebastião e quatro em Caraguatatuba, segundo prefeituras e Cetesb. A Petrobras fala em nove praias atingidas.
As praias atingidas pelo óleo estão impróprias para o banho de mar, mesmo aquelas que já passaram por ações de limpeza, diz a Cetesb.
A companhia monitora as praias de Cigarras, Arrastão, Pontal da Cruz e Deserta, em São Sebastião; e Mococa, Cocanha, Massaguaçu e Capricórnio, em Caraguatatuba.
Fonte: Folha de S. Paulo - Cotidiano (09.04.2010)

Coréia do Sul reage a ameaças

Clima é de tensão na península desde que o regime comunista reagiu a exercícios de Seul com americanos

Poderio Bélico das duas Coréias
A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, advertiu a Coreia do Norte de que qualquer movimento de provocação do ditador Kim Jong-un receberá uma resposta "enérgica e imediata" e "sem nenhuma consideração política" do Exército de Seul.
Segundo o ministro da Defesa da Coreia do Sul, Kim Kwan-jin, o país está pronto para realizar ataques preventivos contra instalações nucleares ou militares do Norte.
Ontem, os EUA voltaram a afirmar que levam a sério as ameaças feitas por Pyongyang, ainda que não tenham rastreado ações que respaldem sua retórica hostil.
Segundo a CNN, os EUA deslocaram um navio de guerra e um radar para a costa norte-coreana para monitorar possíveis ações militares.

A Coreia do Norte vem aumentando o tom de sua retórica belicista desde o início dos exercícios militares anuais conjuntos dos EUA e da Coreia do Sul, em 11 de março, e desde que a ONU aplicou novas sanções como resposta ao lançamento de um foguete e um teste nuclear.

Na sexta, o regime de Kim afirmou que estava em "estado de guerra" com o Sul.
A declaração aumentou a tensão regional, embora as duas Coreias estejam tecnicamente em guerra desde 1953 -não foi assinado um tratado de paz para pôr fim à Guerra da Coreia (1950-1953), apenas um armistício.
O armistício, porém, foi declarado inválido pela Coreia do Norte em artigo publicado em 11 de março no jornal "Rodong Sinmun", controlado pelo governo. Na ocasião, Seul rejeitou o anúncio de Pyongyang, dizendo que o armistício não poderia ser anulado unilateralmente.
Fonte: Folha de S. Paulo (02.04.2013)