Fome Um problema de superlotação???

Na Índia, em busca de comida, as pessoas chegam a entrar na floresta dominada pelos tigres de bengala. O desafio, no mundo, é encontrar o desenvolvimento sem destruir o que resta da natureza. No planeta, 925 milhões de pessoas passam fome.

Acompanhe a série de reportagens de Sonia Bridi e APulo Zero pelos cinco continente, que revelam as questões de superlopopulação e uso dos recursos naturais para sobrevivência das comunidades.
Fonte: Fantástico 27.05.2012

Código Florestal

A presidente Dilma Rousseff deve alterar o tamanho da faixa das margens de rios que precisam ser preservadas pelos agricultores em suas propriedades. Este é um dos pontos mais polêmicos na discussão do novo Código Florestal.


O texto aprovado pelo Congresso define que, nas áreas em que já há produção, deve ser recuperada uma faixa de 15 metros em rios pequenos. Não há especificação sobre rios grandes.
Segundo o líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), proprietários com até quatro módulos fiscais terão de recompor de maneira proporcional do tamanho de sua propriedade.
Para áreas com mais de quatro módulos à beira de rios pequenos (de até 10 m de largura), valerá a recomposição de 30 metros, em vez dos 15 sugeridos pelo texto original do código do Congresso.
Já grandes proprietários teriam que recuperar uma área bem maior, hoje não definida.
O veto de Dilma será provavelmente parcial, segundo disse ontem o vice-presidente, Michel Temer. A ideia é tentar restaurar a essência do projeto de código aprovado pelo Senado, segundo informou à Folha uma pessoa envolvida nas negociações.
"Respeitou-se o entendimento. Eu estou mais otimista", disse Braga, após reunião com Dilma e ministros na qual o veto foi apresentado aos líderes parlamentares do governo.
Questionado sobre se estava feliz com a proposta, porém, Braga declarou: "Fiquei satisfeito". 

Raro eclipse anular

Do outro lado do mundo, milhares de pessoas pararam para olhar para o céu. Imagens exclusivas de um fenômeno raro: um eclipse anular.
Às vezes uma vida, por mais longa que seja, não é tempo suficiente para ver um eclipse desses. O anterior, em Tóquio, foi há 173 anos. Ele se chama anular porque cria o chamado anel de fogo, um círculo perfeito no céu. Isso ocorre porque a lua está proxima do ponto mais distante que ela alcança da terra. Assim, não consegue cobrir totalmente o sol ao passar na frente dele.


Em Tóquio, o mau tempo quase atrapalhou o espetáculo. Mas quem assistiu ao eclipse no templo xintoísta foi abençoado. As pessoas puderam ver o círculo perfeito no céu e um belo fenômeno causado pelo reflexo do sol nas folhas das árvores: centenas de mini-eclipses no chão.
Na China, o eclípse foi muito bonito, começou quando o sol estava nascendo no oceano e depois formou o anel no céu praticamente limpo.
O próximo eclipse como esse em Tóquio será daqui a três séculos.
Fonte: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/2012/05/21

Terremoto na Italia em 20/05/2012


Ao menos seis pessoas morreram e cerca de 50 ficaram feridas por causa do terremoto registrado neste domingo no norte da Itália e que alcançou os 5,9 graus de magnitude na escala Richter, disse o responsável de Defesa Civil da região Demetro Egli. 

 
Tremor aconteceu às 4h03 locais (23h03 de sábado de Brasília) na região de Emilia Romagna e foi sentido também em outras como Toscana, Vêneto, Lombardia, Trentino-Alto Adige e Friuli Venezia Giulia (Foto:http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,terremoto-de-magnitude-59-mata-pelo-menos-6-pessoas-na-italia,875241,0.htm)

O terremoto de 5,9 graus de magnitude na escala Richter registrado às 2h03 deste domingo (horário local, 11h03 de sábado em Brasília) na região de Emília-Romanha (norte da Itália) foi sentido também em outras como Toscana, Vêneto, Lombardia, Tretino Alto Adigio e Friuli Venezia Giulia.
O tremor, que teve seu epicentro a 5 quilômetros a leste da localidade de San Felice sul Panaro, segundo o Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia da Itália, foi precedido por outros dois, um de intensidade 4,1 - umas três horas antes do principal - e outro, de 2,2 graus.
Em várias cidades, segundo informa a imprensa local, muitas pessoas saíram para as ruas em pânico ao sentir o tremor, que durou cerca de 20 segundos. 


                Estado de São Paulo

Quantidade de água no planeta e MENOR do que você imagina!!!

 

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) criou esta visualização incrível: uma imagem que dá uma ideia perfeita de como há pouca água no planeta Terra, comparado aos materiais sólidos que formam seu volume. A imagem mostra o tamanho de uma esfera que conteria toda a água da Terra, em comparação com o tamanho do planeta. Repare que estamos falando de volume, não de superfície: cerca de 70% da superfície terrestre está coberta por água, mas o volume de água em relação ao volume da Terra é irrisório. A esfera azul em cima dos EUA tem um diâmetro de aproximadamente 1.385 km, com um volume de 1.386.000.000 km³. A esfera inclui toda a água dos oceanos, mares, geleiras, lagos e rios, além das águas subterrâneas, água atmosférica (no ar), e até mesmo a água dentro de você, do seu animal de estimação e dos tomates na sua geladeira. 
 Eis alguns números do USGS: 
 - O volume de toda a água seria de aproximadamente 1,386 bilhão de quilômetros cúbicos (km³). Um quilômetro cúbico de água equivale a cerca de um trilhão de litros d’água. 
 - Cerca de 12.900 km³ de água, a maior parte na forma de vapor d’água, está na atmosfera. Se toda ela precipitasse de uma vez, a Terra seria coberta por apenas 2,5 cm de água. 
 - A cada dia, 1.170 km³ de água evapora ou transpira para a atmosfera. 
 - Se toda a água do mundo fosse jorrada nos EUA, ela cobriria o território com uma profundidade de 145 km. 
- Da água doce na Terra, muito mais fica no subterrâneo que em lagos e rios. Mais de 8.400.000 km³ de água doce estão armazenados na Terra, a maior parte a até 800 m da superfície. 
Mas se você realmente quer encontrar água doce, a maior parte está armazenada nos 29.200.000 km³ de geleiras e calotas de gelo, principalmente nas regiões polares e na Groenlândia. E esta é a quantidade de água doce, comparada ao volume da Terra e à quantidade total de água: E o volume de água doce potável é ainda menor, então vá fechar suas torneiras. 
Fonte: USGS - EUA

Ilha de plástico no Pacífico aumentou 100 vezes

A ilha de plástico no Pacífico já ocupa uma área maior do que 586 mil quilômetros quadrados de extensão e está alterando o ecossistema marinho.

por Débora Spitzcovsky  Planeta Sustetável

Garrafas de plástico


Além das partículas plásticas serem ingeridas pelos animais marinhos e aves, a aglomeração de plástico no oceano está provocando a proliferação de um inseto que se alimenta de ovos de peixe e plâncton
Amassa de pequenos pedaços de plásticoque emporcalha ooceano Pacíficoaumentou cerca de 100 vezes nas últimas quatro décadas, segundo estudo doInstituto Oceanográfico Scripps (SIO), dos EUA.
Liderada pela oceanógrafaMiriam Goldstein, a pesquisa apontou que ailha de plástico no Pacífico já ocupa uma área maior do que o estado de Minas Gerais, que possui mais de 586 mil quilômetros quadrados de extensão, e está alterando oecossistema marinho.
Isso porque, além das partículas plásticas -que são ricas em produtos químicos tóxicos- serem ingeridas pelos animais marinhos e aves, aaglomeração de plástico no oceanoestá provocando a proliferação do insetoHalobates sericeus, que se alimenta de ovos de peixe e plâncton. O animal, que vive no mar, necessita de uma superfície dura para depositar seus ovos, que é encontrada com muito mais facilidade a medida que a quantidade de lixo plástico aumenta no oceano.
De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), o problema do lixo plástico é mais grave no norte do Oceano Pacífico, mas se repete em todo o ambiente marinho do planeta. Em cada km² de oceano são encontradas, em média, 13 mil partículas de microplástico, que derivam desacolas descartáveis, entre outros resíduos.
Leia  mais: National Geographic

Pesquisa confirma que aumento de C02 inicia aquecimento

A composição do gelo dá pistas sobre a temperatura na época em que a neve caiu, enquanto bolhas de ar presas na massa gelada indicam quanto CO2 havia no ar.
"O problema é que essas coisas acontecem em ritmo diferente. Quando a neve cai, ela fica muito tempo permeável ao ar acima dela. Demora para as bolhas se formarem", diz Chiessi.
Resultado: os modelos indicavam que o ar preso nas bolhas sempre é mais "novo" que o gelo ao lado. Assim, não dava para saber qual tinha sido a ordem dos acontecimentos, num verdadeiro problema de ovo e galinha.
Leia mais: http://folha.com/no1089705

Erosão marinha "engole 120 praias no Brasil"

 
O desaparecimento do trecho de areia não é exclusivo de Porto Grande. Levantamento feito com base no estudo "Erosão e Progradação do Litoral Brasileiro" mostra que ao menos 120 praias já foram atingidas pela erosão de forma severa em todo o litoral do país.